Fique por dentro!

Assine e receba notícias sobre os seus assuntos favoritos do Pais em Apuros.

Assine e receba notícias sobre os seus assuntos favoritos do Pais em Apuros.

Livre brincar educa

É na infância e no ato de brincar que nos preparamos para a vida adulta. O movimento, já no ventre materno, é uma das primeiras características que podemos observar nas crianças e são muito significativos: chutar, chupar o dedo, girar.


Dica Pais em Apuros! Assista esse filme ;D

No início, os movimentos não são conscientes, são impulsivos e desordenados. Mas, com o tempo, ganham habilidade e destreza. A exploração é do seu próprio corpo e as mãos são descobertas, tornando-se seu primeiro brinquedo.

A descoberta da boca e o ficar de pé

Mais adiante tudo é levado à boca para ser degustado, percebido e assim, vai tomando posse de seu corpo, de cima para baixo, quando logo alcança os pés.
O ângulo de percepção do mundo muda quando chega à conquista da postura ereta. Andar amplia o horizonte visual, amplia a experiência dos órgãos dos sentidos: ver, ouvir, tatear, cheirar, saborear… Esta é a união do movimento com a percepção de mundo.

Então esse é o mundo

Quando a criança começa a relacionar-se por meio da imaginação, que é a imagem em ação, o brincar ganha diferentes nuances de agir e interagir. Inicia-se o tempo do “eu e você” no âmbito das relações e a criança passa a colocar intenção em seus atos. O planejamento faz parte do brincar e os objetos adquirem utilidade mais significativa. Ela deseja apreender o mundo com mais precisão.

Pequenos atores

Então a imitação entra nas brincadeiras: arrumar a casa, sair para o trabalho, cuidar dos filhos (bonecas/os), exteriorizando suas experiências. A criança estabelece uma relação com grupos de companheiros e amigos que participam da mesma brincadeira. Emana desta intenção compartilhada o convívio social, que promove a compreensão e elaboração de situações vividas no cotidiano.
Por meio do lúdico se comunicam, aprendem sobre si, trocam de papéis, viram super heróis, princesas, lutam, choram, amam e começam a elaborar perdas e sofrimentos, dilemas e conflitos. Sentimentos dos mais variados tipos que reforçarão qualidades e habilidades.

O que pode fazer o adulto para favorecer o aprendizado espontâneo das crianças?

O brincar é inerente à criança e requer condições para que aconteça: espaço e tempo devem ser organizados pelos adultos, em um ambiente favorável e com atmosfera agradável. Excessos podem gerar desordem: excessos de cores, sons e brinquedos afetam a criança que, ao invés de experimentar o próprio corpo, acaba por se distrair com os objetos ao redor.

Brinquedos: Menos é mais para o desenvolvimento

A qualidade dos brinquedos também é um aspecto importante. Deve-se guiar pela idade da criança, e de preferência deve ter um caráter de incentivo, que contribui para estimular a participação da criança em sua complementação, não sendo aconselhável, portanto, brinquedos já totalmente acabados. Vale a frase “menos é mais”.
Quanto mais simples e naturais, maiores serão as chances de a criança transformá-los a partir da sua imaginação, passando a ser agente da sua própria experiência, dando liberdade à sua fantasia e criatividade.

Brincar pede espontaneidade

Garantir um tempo para o livre brincar (espontâneo), inclui prazer e bem estar que contribuem para a aquisição de novas habilidades motoras, sociais, cognitivas e emocionais.
Explore parques e praças próximos de casa. Brincadeiras ao ar livre, junto da natureza, oferecem muitas possibilidades e materiais, para serem reinventados. Atividades como essas fortalecem, formam, estruturam a relação e o vínculo com o mundo.

Movimente-se

A criança é movimento e está ligada aos gestos, principalmente dos adultos, que servem de modelo em diversas situações, expressando atitudes ordenadas em início, meio e fim, que educam a memória e favorecem o aprendizado.
Brinque com seu filho e desfrute deste momento lúdico.

***

Fonte: Lameirão, Luiza Helena Tannuri. Criança brincando! Quem educa? – São Paulo- ed. João de Barro, 2007.
Marasca, Elaine. Saúde se aprende, Educação é que cura – São Paulo- ed. Antroposófica, 2009.

Por: Cristiane Perencin

Autor desta Publicação
Cristiane Perencin
Arte Educadora e Pedagoga.

Escreva um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
X